Uma Rua ao Frio

O contraste do frio do chão coberto de neve e o calor que vem de dentro do casaco. O choque do ar gelado com o respirar.

sexta-feira, maio 26, 2006

Bom, parece que está no fim...

Ontem foi o meu último dia de aulas do curso de Direito. Penso que não podia ter acabado da melhor maneira. O professor decidiu fazer-nos uma surpresa e levou-nos a todos a lanchar à Linha d'Água. Só ele mesmo. Um espectáculo.
E assim ficam para trás 5 anos de aulas numa faculdade nova (quando eu entrei foi o primeiro ano em que havia os 5 anos completos), que me deu a conhecer muitas coisas, a encontrar novas pessoas.
Enfim, resta agora aproveitar umas longas férias (provavelmente, as maiores nos próximos 50 anos..)

quarta-feira, maio 24, 2006

...


(fotografia por eu)
Partiram-se as cordas. Quando é que esta guitarra voltará a tocar...?

domingo, maio 21, 2006

O código indecifrável

Para mim é indecifrável a fama do Código de da Vinci...

Let it rain today

Wash
Oh please let it rain today. This city's so filthy. Like my mind in ways.
Oh it was the time. Like a clean new taste.
Smiling eyes before me and tears from my face.

Wash my love. Wash my love. Wash my love, yeah.

Sin for sale. Buying just a need. Just who planted all the devils seeds?
And what's the truth? And the truth that lies at home.
It's on the inside and I can't get it off. Yeah.

Wash my love. Wash my love. Wash my love, yeah.

What's clean is pure. But hey, I'm white on the outside. Though I stray.
What she don't know today might kill us both tomorrow. Bring it back someday.
Bring it back, bring it back. Back to, to the clean form. To the pure form.

Wash my love. Ooh...

(letra por Eddie Vedder)

sábado, maio 20, 2006

Olha o passarinho!

(fotografia por Wolfgang Kumm)

sexta-feira, maio 19, 2006

Procura-se

Pá, roubaram uma vaca!!!

Só mesmo em Portugal é que alguém se podia lembrar de roubar uma das vacas da cow parade. Já noutros países tinham as pobres vacas sido alvo de assédio, mas agora foi de vez.
Um maluco qualquer decidiu que gostava de ter uma vaca a decorar a sala (eventualmente o quarto), por isso pegou na sua carrinha e levou a cowpyright. Um pequeno detalhe; a vaca pesa 400 quilos!!! É preciso ter muita força (de vontade)...

quarta-feira, maio 17, 2006

green echo

(fotografia por eu)

Tao project nunca foi propriamente um nome para durar.
Será que este fica?

green echo o o o o

Mundo Universitário

O jornal Mundo Universitário, jornal de distribuição gratuita dirigido à vida académica, tem como título da primeira página; Exames à margem da lei. Este título refere-se ao sistema de avaliação da minha faculdade (FDUNL).
Assustado, abri o jornal, para encontrar um grande artigo sobre os exames e de como não há épocas especiais, tal como é exigido por lei (em caso de doença grave, morte de parente, atletas de alta competição, estudantes-trabalhadores, e dirigentes associativos).
Apesar do título e sub-títulos bombásticos, este artigo fala de um problema que eu considero bem sério, e que mostra um pouco do modus operandi daquela faculdade.
Infelizmente, ao longo do texto percebe-se haver uma clara confusão entre segunda chamada para os exames, e época especial. Pior, é que parece que a prof. Ana Prata, a única professora da casa que teve a coragem de vir falar sobre este problema, comete o mesmo erro.
Eu concordo com o facto de não haver segunda chamada. É terrível a quantidade de alunos que se perde no método da tentativa-erro. Vejo amigos meus de outras faculdades que passam três meses consecutivos em exames... Para mim, isso é muito pouco produtivo.
O que já não posso tolerar é a atitude arrogante de uma Faculdade perante a lei, ignorando direitos estabelecidos, ainda por cima, uma faculdade de Direito, onde nos ensinam exactamente o oposto...

sexta-feira, maio 12, 2006

Do the evolution


Os tao project (que estão mesmo, mesmo a fim de mudar de nome), mudaram o seu repertório de músicas do my space. Penso que está cada vez mais próximo do som que nos é mais característico; a mistura de estilos musicais que mais identificam cada um dos músicos (dub, rock progressivo, reggae, jazz, rock frenético).




(fotografia por eu)

quarta-feira, maio 10, 2006

No momento em que só ouço pearl jam

Indifference

I will light the match this mornin' so I won't be alone
Watch as she lies silent for soon light will be gone
Oh I will stand arms outstretched pretend I'm free to roam
Oh I will make my way through one more day in..hell....
How much difference does it make
How much difference does it make yeah...

I will hold the candle till it burns up my arm
Oh I'll keep takin' punches until their will grows tired
Oh I will stare the sun down until my eyes go blind
Hey, I won't change direction, and I won't change my mind
How much difference does it make
Mmm, how much difference does it make..
how much difference...

I'll swallow poison, until I grow immune
I will scream my lungs out till it fills this room
How much difference...
How much difference...
How much difference does it make

terça-feira, maio 09, 2006

Pérolas do Português

Na terra...

Esta é a terra dos meus avós. Terra onde também nasceu a minha mãe. Não me sinto de lá, e enquanto pessoa, não sinto que as minhas origens sejam de lá. Contudo sinto a importância da terra para a minha família, e quão profundas as suas raízes estão nesta terra.

Ainda há pouco fui a um almoço do centro recreativo para angariação de fundos
Para a construção da nova capela. Estava tudo muito animado para o get together (e sobretudo para a mesa das sobremesas) E foi curioso como tanta gente vinha falar comigo sabendo quem eu era. Vinham-me dizer o quanto eu era parecido com o meu avô, e como eu tinha crescido (e das suas netas que também eram muito giras…).
Eu não fazia a mínima ideia quem estas pessoas eram, mas vinham todas falar comigo como se eu fosse um filho delas, um filho da terra. E assim sinto que o Bombarral, apesar de não parecer, está presente em quem eu sou.
(fotografias por eu)

Electrodependente!!!

(fotografia por eu)

sábado, maio 06, 2006

Bunker


Mais um som de tao project no My Space.

Bunker: Estas coisas dão assim de repente e sai isto. Desta vez não estava o Pedro. À ultima da hora cravámos o Gui para tocar baixo.

Se estivermos inspirados hoje, amanhã os tao project não mais serão chamados tao project.






(fotografia por eu)

Parasita in dub

Bem, por cá se está, e para aqueles que achavam que o blog estava a ser desparasitado, as tentavivas do Sr. Nuno têm sido várias mas nada por aí além. Aliás, aqui entre nós, nem se deve lembrar como é que vim aqui parar, quanto mais saber como se livrar de mim ;)

Alguém conhece dub? Alguém já ouviu dub? Alguém dos presentes toca dub?
Com certeza que os mais saídos já ouviram uns resquícios do que já foi o roots dub nas discotecas com alguns sons de Krudder Dorfmeister, esses já mais "elctro"zados, mas memso assim nada maus.

A "coisa" é que, cada vez mais oiço este tipo de música e cada vez mais noto que a maior parte das pessoas não fazem a mais pequena ideia do que é, e assim, de uma forma muito breve, decidi, lembrei-me de partilhar com quem quiser.

Ora bem, visto que ó de repente, o reggae ficou na moda, pode ser que alguns até fiquem curiosos, visto ter sido do reggae que nasceu o dub.

Estamos na Jamaica no fim dos anos 60, e há um Sr. chamado King Tubby que decide mexer nas músicas de forma a realçar a bateria e o baixo (formando quase uma dupla) e reduzir a voz, criando sem o saber ainda, o dub.
Assim, mais tarde, depois de muitas experiências, e depois de remixar muitas músicas de autores de reggae (porque o dub, originalmente, vem das "dub plates", que eram as versões sem voz e com efeitos das originais), o dub acaba por ser reconhecido como um estilo individual, graças ao sucesso que tinha nas pistas de dança na Jamaica.

E depois disto é o que vocês quiserem. Não vou estar aqui a debitar nomes, deixo-vos uns links se quiserem espreitar. O que é certo é que o dub acaba por ser um estilo de música do mais versátil que há que tem vindo a sofrer milhares de adaptações de acordo com o canto do mundo em que é tocado. Das arábias à Índia, de toda a Europa até à China são imensas as influências que encontramos e misturamos. Da batida reggae à batida propriamente dita, das linhas de baixo fluídas envolvidas de cheiros, sensações, riscos, delays, ambientes como nunca antes vistos, até ao jazz... são inúmeras as viagens proporcionadas por este estilo musical, calmas mas ao mesmo tempo intensas! Não havia de ter sido o King Tubby a criá-lo e talvez não dissesse que este é o rei dos estilos. E que estilo!

Dub Wise!

Parasita

www.dubzone.org
Hightone
Kaly Live Dub
Lobe RAdiant Dub System
King Tubby
Dub Trio
Trojan Records
Soul Jazz Records
Dub Syndicate


De volta a conversas com Tom

Nós sentimos. Sentimos aquilo que para nós importa, aquilo que nos afecta. E é a partir da acepção que temos da realidade que certas coisas nos afectam e outras não. É como desenhamos o mundo, a maneira como vemos as coisas, se lhes atribuimos profundeza ou não, que vai dar intensidade aos sentimentos.
Algo que nos afecta, que desperta um sentimento profundo não é contínuo. Não o pode ser. Não podemos continuamente sentir intensamente, pois aquilo que sentimos ser importante, é uma coisa especial, e por isso apenas aparece de vez em quando. Não pode ser algo sempre presente, uma banalidade.
É o efeito das ondas (Tom, a Figueira faz-te bem...!). Os sentimentos profundos vão e vêm, não estão permanentemente. Tal como a água do mar se absorve na areia, quando temos um sentimento profundo, esquecemo-nos de nós próprios, concentramo-nos no sentimento. Quando este se vai, concentramo-nos novamente em nós próprios, mas alterados pelo sentimnto que passou.
Nas palavras de Eddie Vedder (Severed Hand do novo álbum);


"Once dissolved, we're free to grow"

sexta-feira, maio 05, 2006

Esboço de um paraíso num Portugal profundo

(fotografia por eu)

Gato e Rato... Qual é o rato?

"O que me choca é que por causa de num bairro de lata existir uma concentração superior à média de prováveis delinquentes se tratem os que aí habitam como sendo criminosos, cúmplices ou encobridores, numa espécie de culpa categorial que faz lembrar outras épocas"
José Miguel Júdice, PÚBLICO, 5-5-2006
.
É bem capaz de ter toda a razão. Um governo não se devia permitir este tipo de exposição e este tipo de agrssões. Mas não será no mínimo curioso que os próprios moradores desse bairro estarem todos avisados da rusga 2 dias antes?!

terça-feira, maio 02, 2006

Ai o português...!

Para o caro ed do Absorto,
Entesar, v. t. Fazer teso. Tornar direito, tenso: entesar uma corda. Atesar. Fortalecer. Tornar altivo. Dar entono a. (De teso).

De novo viciado em Morphine

(fotografia tirada por eu)
The Night
You're the night, Lilah
A little girl lost in the woods
You're a folktale
The unexplainable
You're a bedtime story
The one that keeps the curtains closed
I hope you're waiting for me
'Cause I can't make it on my own
I can't make it on my own
It's too dark to see the landmarks
And I don't want your good luck charms
I hope you're waiting for me
Across your carpet of stars
You're the night, Lilah
You're everything that we can't see
Lilah
You're the possibility
You're the bedtime story
The one that keeps the curtains closed
And I hope you're waiting for me
'Cause I can't make it on my own
I can't make it on my own
Unknown the unlit world of old
You're the sounds I've never heard before
Off the map where the wild things grow
Another world outside my door
Here I stand I'm all alone
Driving down the pitch black road
Lilah you're my only home
And I can't make it on my own
You're a bedtime story
The one that keeps the curtains closed
I hope you're waiting for me
'Cause I can't make it on my own
I can't make it on my own

J, I miss those nights

(fotografia tirada por J.)